Atenção. Seu browser não suporta JavaScript!
Acompanhe ao Vivo
Boletins Web Mail Intranet

Notícias

06/12/2019 - 15:37:00

Vereadores investem em iniciativas no combate à violência contra a mulher

email
1

Foi sancionada nesta sexta-feira (6) a lei municipal 12.965/2019, de autoria do vereador Ailton Nantes (PP), que cria no calendário oficial do Município o "Dia do Laço Branco – Homens pelo Fim da Violência contra a Mulher". A cerimônia de assinatura foi realizada no gabinete do prefeito de Londrina, Marcelo Belinati (PP), e participaram representantes do Executivo, das polícias Civil e Militar e de entidades ligadas aos direitos das mulheres. A intenção da lei é desenvolver ações de educação e informação para orientar a população sobre o papel do homem na sociedade, explica o vereador Ailton Nantes. "O movimento Laço Branco procura conscientizar o envolvimento do sexo masculino no combate à violência contra a mulher. [A lei] irá ajudar a estimular as conferências, os debates e os movimentos no dia 6 de dezembro, data escolhida pelos grupos envolvidos na causa", explica Nantes.

A data escolhida como "Dia do Laço Branco", 6 de dezembro, é também o dia mundial de mobilização de homens contra qualquer tipo de discriminação e violência contra as mulheres. A campanha do Laço Branco é realizada no Brasil há 12 anos, por meio da lei federal 11.489/2007, como parte da ação "16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres", promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU) para mobilizar diversos setores da sociedade civil e do poder público no enfrentamento desta realidade. A lei municipal tem como foco a orientação da sociedade, em especial a dos próprios homens. "A grande maioria dos agressores são homens, por isso, a importância de procurarem conscientizar os agressores dos malefícios desta prática", argumenta o vereador autor da proposta.

Combate ao feminicídio – Iniciativas de combate à violência contra mulher ganharam força na Câmara Municipal de Londrina. Em outubro foi sancionada a lei nº 12.939/2019, de autoria do vereador Estevão da Zona Sul (sem partido), que criou a "Semana e o Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Feminicídio", a serem celebrados no dia 22 de julho e datas próximas. A intenção é aproveitar o período para realizar atividades, eventos e palestras ligadas ao tema. "O objetivo é promover a conscientização acerca das ações de prevenção e combate ao feminicídio, bem como desmistificar estigmas, ampliar os espaços de debate e informação sobre o assunto e promover a cultura do basta de violência contra a mulher", explica o vereador Estevão da Zona Sul na justificativa do projeto.

Também em outubro, a Secretaria Municipal de Educação aderiu ao "Programa Lei Maria da Penha Vai à Escola", previsto na lei municipal 12.662/2018, originária de proposta apresentada pelo vereador Pastor Gerson Araújo (PSDB). Estudantes desenvolveram projetos de iniciação científica sobre a realidade da agressão contra as mulheres nos diferentes estados do Brasil. As pesquisas realizadas pelos alunos tiveram como pano de fundo um dos principais objetivos da iniciativa, que é transformar a escola em local de combate a todas as formas de violência e de promoção de uma cultura de paz. A lei municipal está em vigor desde fevereiro de 2018 e prevê que escolas públicas e particulares insiram no currículo o ensino de noções básicas sobre a Lei Maria da Penha.

O vereador Pastor Gerson Araújo explica que a intenção é conscientizar crianças e adolescentes para prevenir situações de violência. "O objetivo é instituir uma nova cultura de combate à violência contra a mulher, bem como pautar definitivamente a igualdade entre homens e mulheres, despertando nos estudantes o interesse sobre as questões ligadas aos direitos humanos, apoiando-se na crença de que a escola é o lugar capaz de fazer a diferença no combate a todas as formas de violência e na construção de uma cultura de paz".

Apoio às famílias – Ainda tramita no Legislativo o projeto de lei nº 188/2019, de autoria do vereador João Martins (PSL), que estabelece a garantia de vagas em centros de educação infantil e escolas municipais para dependentes de mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. A proposta prevê que as crianças e adolescentes possam ser matriculados ou transferidos para instituições municipais próximas à residência onde vivem. 

O projeto de lei encontra-se em análise pela Comissão de Justiça, Legislação e Redação, que emitiu parecer prévio solicitando manifestação da Secretaria Municipal de Educação e do Conselho Municipal de Educação de Londrina. Na justificativa da proposta, o vereador João Martins argumenta que a intenção é melhorar o bem-estar dos filhos e dos dependentes das mulheres agredidas. "O objetivo é auxiliar estas mulheres-mães, que buscam amparo e proteção aos seus filhos junto ao Estado, encontrando no ambiente estudantil oportunidade de se reorganizar e se reestruturar na vida diária com seus dependentes", afirma Martins.

CÂMARA MUNICIPAL DE LONDRINA ASCOM JORNALISMO Fones (43) 3374-1326 e 3374-1327 Redação Vinicius Frigeri MTB 7792PR Fotografia DP Torrecillas Fotojornalismo 

Galeria de Imagens

Enviar Notícia

Brasão da Câmara Municipal de Londrina
CÂMARA MUNICIPAL DE LONDRINA
Rua Gov. Parigot de Souza, 145
Caiçaras Londrina / PR - 86015-903
PABX
(43) 3374-1300